Tiara – delicada joia para a cabeça

Quando pensamos em joia dificilmente pensamos em adornar a cabeça.

Pensamos em anéis, brincos, colares…. até mesmo tornozeleiras… mas a cabeça, fica meio esquecida.

Mas não foi sempre assim.

A Tiara é uma linda peça da joalheria que já foi fundamental em diversas ocasiões sociais.

É uma joia muito usada por membros da nobreza na atualidade.

Houve um tempo em que aconteciam as ‘Noites da Tiara” na Ópera de Paris, com as mulheres da alta sociedade desfilando suas lindas peças.

E não é porque são (originalmente) feitas para uma alta elite, que elas não são plenamente “aproveitadas”, tornando-se várias joias numa só.

Você sabia que muitas tiaras são compostas por peças encaixadas?

Sim, como nessa joia da imagem (da Sothebys Jewels).

Numa só tiara temos os brincos, broche e pulseira. Incrível né?

Afinal, nada mais justo, poder utilizar as lindas peças de várias formas e em várias ocasiões.

Ela surgiu há muito tempo, na época do Antigo Egito, por volta de 4.000 a.C, basicamente para prender os cabelos, nada muito romântico aqui.

Na Grécia elas tinham folhas de louro em ouro, usadas por generais, governantes e atletas.

Noivas romanas costumavam usar tiaras adornadas com flores de laranjeira, que simbolizam pureza.

O povo cigano também ficou conhecido por utilizar esse acessório.

Aliás, ela também é típica da Moda Hippie e Esotérica.

Na Era Napoleônica as tiaras eram simétricas, com muitas gemas.

Tiara Czarina Alexandra da Rússia (Canva)

Mas poucos impressionaram tanto em joalheria quanto os russos. As tiaras feitas para a czarina e suas filhas, eram espetaculares em nobreza e design.

Um fato curioso sobre a Tiara é que, antigamente, eram usadas apenas por mulheres casadas, pois era costume entre a nobreza, que marido presenteasse a esposa com uma tiara para o casamento.

No início do século XX a Tiara era o principal acessório feminino na Europa.

Durante a 1ª. Guerra Mundial elas disputaram espaço com as Aigrettes, adornos feitos com plumas longas e pontiagudas.

Após a 2ª. Guerra Mundial as tiaras sumiram de cena.

Mas elas não morreram, pelo contrário.

De alguns anos pra cá elas têm surgido de forma muito despojada, agradando ao público mais jovem.

Pode ser facilmente encontrada nas cabeças das noivas e debutantes, sem qualquer chance de errar no visual. Existem profissionais e empresas especializadas para criar tiaras para esses momentos tão especiais. Sempre em sintonia com quem vai usa-la, e também com o ambiente e clima da festa, as cores, o estilo, e tudo mais.

O Headband é basicamente uma tiara usada sobre a testa. Lembra muito um estilo celta, dos elfos e fadas.

Bibliografia e fontes

Julieta Pedrosa – Joalheira, Professora de História da Joalheria

Autor(a): Márcia Pompei

ver perfil e ler outros artigos