Elementos da biojoia

Nos tempos em que ter uma vida “ecologicamente correta” é sinônimo de estar na moda, nada mais apropriado do que a biojoia.

Essa “nova joia” emprega matéria prima vegetal em sua composição. São sementes, fibras, cascas de frutas e árvores unidas ao ouro ou prata. Há quem “admita” a presença de elementos como penas, conchas ou madeiras (desde que certificadas).

É fundamental lembrar que o mais importante não é o material, mas sim a origem, o caminho percorrido por todos os elementos que compõem a biojoia. Matéria-prima sustentável, integração da cadeia produtiva e preservação ambiental são requisitos indispensáveis.

Fotos: joias de Alma Dania, Antonio Moreno, Kathy Humpert, Maura Dias eUiara Zagolin
Fotos: joias de Alma Dania, Antonio Moreno, Kathy Humpert, Maura Dias eUiara Zagolin

Mas, ao contrário do que possamos pensar, essa ideia não é tão nova assim. O povo celta já usava sementes; as de prímula concediam poderes mágicos e as de samambaia invisibilidade.

Entre os maias, as penas e conchas eram tão “especiais” que eram destinados ao ornamento das imagens de seus deuses.

No antigo Egito, as penas e plumas tiveram grande importância, eram o símbolo de Maat, deusa da justiça e da ordenação do mundo.
Ela levava na cabeça uma pena de avestruz que, no julgamento do morto, seria comparada ao peso do coração. Um coração “puro” não poderia ter o peso maior do que o da pluma.

No Brasil os búzios são populares. Seitas de origem africana os utilizam como oráculos, para adivinhações. Também são famosos por afastar mau agouro.

Povos indígenas brasileiros costumam enfeitar-se com adornos de sementes e plumas, sempre muito coloridos. Entre eles está o “olho de cabra”, semente que tem as cores vermelha e preta. Acredita-se que tenha o poder de absorver o mau olhado, devido ao contraste chamativo de suas cores.

Podemos ver que nossa origem é repleta de biojoias, muito antes de se tornarem hits da moda.

Os povos antigos tinham uma grande preocupação, também, com os aromas e pigmentos dos materiais naturais. As virtudes mágicas das flores de cravo-da-Índia são reconhecidas nesse país, mesmo em tempos atuais.

Sementes, flores, cascas de árvores, folhas e fibras, perfumes, raízes, frutos, resinas naturais, tudo enfim já foi usado pelo homem (em pensar que nós “modernos” nos achamos mais avançados, evoluídos e inteligentes …).

É muito bom ver que nossa geração começa a fazer bom uso dos recursos naturais que estão ao redor, de forma saudável e criativa.

Biojoia combina com o quê? Combina com biodiversidade, manejo sustentável, certificação, consumo responsável, biocivilização, maturidade, bom senso, respeito ao planeta. Além, claro, da magnífica beleza exótica combinada com metais nobres e bom gosto!

Bibliografia e fontes

Dicionário Ilustrado de Símbolos
Hans Biedermann – Editora Melhoramentos

Os Talismãs e seus segredos
Nadia Julien – Editora Rideel Ltda.

Elementos da Magia Natural
Marian Green – Ediouro

Publicação

Artigo originalmente publicado no site JoiaBr

Autor(a): Márcia Pompei

ver perfil e ler outros artigos

Que tal fazer um curso?

Assuntos similares