Carved Pearl (Pérola Entalhada)

Talvez você já tenha visto uma pérola dessas.

Elas já circulam nas vitrines de feiras do setor, e em diversas joalherias do mundo.

Vamos conhecer um pouco mais sobre ela, a “Carved Pearl” ou Pérola Entalhada.

Desde 1974 um artista joalheiro japonês, Shinji Nakaba, esculpia formas em pérolas, a maioria em forma de crânios humanos.

Seu trabalho impressionou tanto que chegou a ser exibido no Museu de Belas Artes de Montreal e no Museu de Artes e Design de Nova York, além de várias galerias e museus no Japão.

Chi Huynh
Chi Huynh

Mas a Carved Pearl, como está sendo desejada agora, está mais associada à empresa Galatea, do artista visionário e fundador Chi Huynh.

Além de entalhar a Pérola, Chi trouxe uma grande inovação, inserindo núcleos coloridos, de gemas coradas, no interior do molusco. A Galatea tem a primeira pérola cultivada do mundo com um núcleo colorido. Quando entalhadas elas deixam ver a cor do núcleo, criando um efeito único e especial.

O método tradicional de cultivo de pérolas utiliza núcleos compostos pelo próprio material do molusco: concha e manto (corpo).

O processo do entalhe é todo artesanal, empregando um motor de bancada e pequenas escovas de polimento, como pode ser visto nos diversos vídeos divulgados pela Galatea no canal Youtube.

Pérolas entalhadas com núcleos de gemas coradas - Galatea
Pérolas entalhadas com núcleos de gemas coradas – Galatea

O processo do entalhe é todo artesanal, empregando um motor de bancada e pequenas escovas de polimento, como pode ser visto nos diversos vídeos divulgados pela Galatea no canal Youtube.

 

 

Essa técnica também pode ser usada para disfarçar imperfeições da pérola.

Apesar de muito conhecida fora do Brasil, a técnica do entalhe de pérolas ainda gera uma grande polêmica, como era de se esperar. Será que o público vai aceitar mais essa “intervenção” do homem sobre a pérola? Será considerado um “sacrilégio” alterar a forma natural dessa gema?

O fato é que a criatividade, aliada à tecnologia, pode gerar novidades nem sempre bem aceitas num primeiro momento, mas que precisam ser analisadas, experimentadas e acima de tudo precisam de “um tempo”, para que possamos assimilar e formar uma opinião.

Autor(a): Márcia Pompei

ver perfil e ler outros artigos

Que tal fazer um curso?

Assuntos similares