Branco entre metais: a cor do momento

Conforme pudemos ver em lançamentos de importantes ‘grifes’ da Joalheria nacional, o branco veio com tudo.
Falo de branco, branco…, nada de translúcidos ou transparentes. O branco aqui é totalmente opaco.

Na última Feninjer (feira de joias, relógios e afins), calcedônias, jades e tantas outras gemas opacas brancas “jorravam” pelas vitrines, (além do coral branco), num efeito bastante interessante e poucas vezes explorado.

Essa cor acompanha importantes momentos da vida do homem, independente de sua crença.

Está no mandrion (veste branca do bebê) do batismo cristão e na túnica branca em diversos outros; no vestido da noiva; nas vestes dos “pais, mães de santo” e sacerdotes de diversas crenças e seitas; na roupa da primeira comunhão; em festas de debutantes; no figurino das baianas, enfim.

Nossa cultura está repleta de sua simbologia.
Já foi costume o noivo expor na janela o lençol branco com a mancha vermelha do sangue da virgindade. Prova da pureza mantida até o momento e de sua quebra a partir dali. Ou a debutante que surge para o baile num lindo vestido branco e, ao final da festa, troca por algo “colorido”. É a representação da “passagem”, transição de um estado de “pureza” para um mundo mais real.

foto: Almir Pastore
foto: Almir Pastore

Não há qualquer dúvida de que o branco é o símbolo máximo da purificação.
O Papa da Igreja Católica usa a roupa branca para simbolizar glória e caminho celestial.
Ainda no catolicismo, a pomba branca é o símbolo do Espírito Santo.

Em antigas culturas os animais levados ao sacrifício deveriam ser brancos (ou claros) quando ofertados aos deuses celestiais. O contrário acontecia para os de coloração escura.

É bastante conhecido também o símbolo do “fantasma” (espírito desencarnado), como uma figura branca e pálida.

Entre os chineses o branco é a cor do outono, da sabedoria aliada à velhice. É também símbolo da pureza e virgindade. Ainda na China, está associado ao planeta Vênus, ao elemento Metal e aos pulmões.

Na linha da cromoterapia, o raio branco é considerado o mais poderoso, ele contém todas as cores da escala cromática. É aconselhável que o profissional que aplica a cromoterapia como cura “mergulhe” suas mãos e cabeça na luz brilhante e branca do sol.

O branco está associado ao dia, ao homem, à secura, à objetividade.

Nas joias vários são os elementos que têm essa cor. Entre as gemas podemos mencionar: ágata branca – opala – pedra da lua – hawlita – jade branco – além do coral e pérola brancos.
Para os metais: ouro branco – prata – platina.

Dá pra ver que argumentos não faltam para escolher o branco. Além de tantos fatores positivos, é também a cor que se “mescla” com todas as outras, combina facilmente com tudo. Quer mais motivos?

Bibliografia e fontes

Dicionário Ilustrado de Símbolos
Hans Biedermann – Editora Melhoramentos

A Trilogia das Cores
Ondina Balzano Guimarães – Scarpitta Editora

Publicação

Artigo originalmente publicado no site JoiaBr

Autor(a): Márcia Pompei

ver perfil e ler outros artigos

Assuntos similares