A Joia no século XXI

As pessoas que se mantêm informadas e acompanham tendências de Moda já devem ter percebido o quão “confuso” está o conceito de “Joia” nos tempos atuais.

Vemos desfilar, em importantes vitrines do ramo, peças em ouro com detalhes em madeira; variadas fitas de tecido; borracha; silicone; sementes; palha, ufa!!!

O que será isso? Será joia mesmo???

Sem dúvida essa é uma pergunta que ronda a cabeça de quem aprecia uma vitrine ou um lindo anúncio colorido.

Felizmente (a meu ver) a “cara” da joia está mudando.

Talvez pelo “cansaço” de ver sempre as mesmas coisas, diamantes, ouro, safiras, rubis e esmeraldas, correntinhas, cravações delicadinhas.

Talvez pela necessidade de “ser diferente”, de ter “coisas” exclusivas. Numa sociedade que massifica as pessoas, em que somos números nos documentos, nas filas e nos concursos, a identidade fica esquecida.

Talvez, até, pelo desejo de ver maior sentido naquilo que nos rodeia, peças que expressem algo, um sentimento, um estilo, uma tendência e não que apenas existam por existir.

A Joia, hoje, pode oferecer tudo isso, ela trabalha com designs exclusivos.

Existe Arte na Joia do nosso tempo. Ela é como um quadro, como um filme, uma música ou uma poesia.

A Joia tem personalidade, tem vida própria, uma história de vida.

Designers trabalham com temas, pesquisam, desenvolvem esboços e mais esboços até encontrar “aquela” joia, que expresse seus sentimentos, seu ser.

E, o mais importante, o público tem aceito e buscado isso, porque, sem compradores não existiriam designers criativos, com estilo, exclusividade, arte e tudo mais.

Os valores estão sendo reavaliados. O que vale mais? Um grande rubi adornado por platina de forma “previsível” ou uma peça que tem um estilo próprio no design e nos materiais agregados?

Um cristal bruto, simples e aparentemente tosco, pode ser tão valorizado quanto um pedaço de ouro com diamante incrustado, depende dos olhos de quem vê, depende da alma de quem aprecia. E porque não juntar o cristal bruto com o ouro?

Chega de preconceito!

Até mesmo a durabilidade e indestrutibilidade têm sido questionadas na Europa, em correntes artísticas que trabalham com Joalheria e apresentam, em importantes veículos da mídia, anéis com espuma, colares de papelão, pulseiras compostas por lápis de cor.

Hoje não basta que a joia seja bonita, ela tem que passar uma mensagem, tem que ser “inteligente”.

Viva os novos tempos!!!

Autor(a): Márcia Pompei

ver perfil e ler outros artigos

Que tal fazer um curso?

Assuntos similares